Uma viagem pela História de Arte no Museu de São Roque

O Armazém de Ideias Ilimitada foi convidado a participar numa visita guiada exclusiva para a comunicação social à exposição "De Roma para Lisboa. Um álbum para o Rei Magnânimo", na passada quinta-feira, dia 9, na Galeria de Exposições Temporárias do Museu de São Roque. E foi com enorme curiosidade e prazer que aceitámos o convite e entrámos nesta "viagem" a um dos capítulos da História de Arte Portuguesa. E "viagem" é mesmo a palavra central nesta mostra. A visita foi guiada pela comissária da exposição, a Dra. Teresa Leonor M. Vale, do ARTIS – Instituto de História de Arte da Universidade de Lisboa (na foto em baixo), que nos desvendou um pouco da história por detrás do denominado "Álbum Weale". Mas vamos por partes.
A palavra "viagem" surge como fio condutor desta exposição porque não só o "Álbum Weale" é um registo minucioso das variadíssimas encomendas a artistas italianos, no reinado de D. João V, numa tentativa de o soberano afirmar Portugal como um Estado rico e poderoso, como a própria obra acabou por "viajar" um pouco pelo mundo. Além da viagem entre Roma e Lisboa, "exilou" para o Rio de Janeiro com a família real, durante as invasões napoleónicas, onde se lhe perdeu o rasto. Só volta a ser encontrado, já na segunda metade do século XIX, em Londres, na posse do editor John Weale (daí o nome), de onde "partiu" para se fixar na biblioteca da Escola Superior de Belas Artes de Paris, (re)descoberto já na década de 1990.

O que é o "Álbum Weale"? Por si só uma obra de arte, é uma das fontes iconográficas mais relevantes para a compreensão das encomendas joaninas de obras de arte italianas destinadas à basílica Patriarcal e à capela de S. João Baptista da igreja de S. Roque, em Lisboa (em grande parte desaparecidas no terramoto de 1755). O "álbum" pode ser visto como uma espécie de relatório, escrito e desenhado, dessas mesmas encomendas, realizado por iniciativa de Manuel Pereira Sampaio, último embaixador do rei D. João V em Roma. Se, por um lado, as cartas pretendiam explicar por escrito os trâmites da concretização das obras e as práticas dos artistas, os desenhos tentavam complementar o que as palavras não conseguiam.

O que pode ver-se na exposição? Na primeira sala da galeria, encontramos exemplares de cartas e desenhos que circulavam entre Roma e Lisboa e que fazem parte do "Álbum Weale", passando de seguida para algumas obras da autoria de artistas cujos desenhos constam do álbum organizado por Manuel Pereira Sampaio, que nos permitem uma ideia mais aproximada das peças desaparecidas. Numa terceira e última área, podem ser contempladas algumas peças de ourivesaria que fazem parte do chamado tesouro da capela de S. João Baptista. Esta mostra pretende dar a conhecer ao público uma parte fundamental na História de Arte Portuguesa com a revelação de um riquíssimo Património de Portugal.

"De Roma para Lisboa. Um álbum para o Rei Magnânimo" foi possível graças ao empenho da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, que estabeleceu uma parceria com a Escola Superior de Belas Artes de Paris e financiou o projeto de conservação e restauro da obra, garantindo assim a organização da primeira exposição pública do "Álbum Weale". Esta pode (e deve!) ser visitada até 25 de Outubro. O bilhete para a exposição temporária tem um custo de 2,50 euros e dá ainda acesso a visitar o Museu de São Roque. De que estão à espera para embarcar nesta "viagem"?!

Susana Figueira
 Alguns exemplares das cartas do "Álbum Weale"
 Micromosaico Ecce Omo de Alessandro Cocchi
 Alguns desenhos do "Álbum Weale" em exposição
 Custódia de Antonio Arrighi
 Lista de peças a colocar nas caixas de transporte das encomendas (imagem em baixo) e instruções sobre como deveriam ser guardadas

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.