Crónicas da Brilha


Retrospetiva

Às vezes faz-nos bem olhar para trás, pôr as coisas em perspetiva.

Naquele entardecer, o sol incidia sobre a pedra branca do capitel, polida pelo trabalho de outros que já partiram, e senti-me como o filho retornado à casa paterna.

Quantos anos se passaram? Treze? Assim tantos?

Questiono-me o que fiz entretanto e o que será que me distancia ou aproxima da pessoa que cruzava diariamente esses corredores envidraçados que amplificavam a luz.

Talvez viesse a ser julgada pelas decisões do entretanto ou talvez não. Mas se o fosse sempre estaria em paz com a minha consciência. Treze anos me distanciavam dessa outra que fui, mas vinte anos me separavam da pessoa que escreveu as primeiras linhas de um livro que, não o sabia, havia de ser o primeiro de outros.

Também cruzava corredores nessa altura, mas eram diferentes. A luz escoava-se por vidros mais pequenos e eu fechava-me entre as páginas de um livro de capa antiga nas escadas para outro patamar. Lá fora ouvia risos e conversas, mas todo o meu universo era um tanto mais silencioso e mais vasto.

Quanto maior a distância, maior dificuldade sinto em lembrar e em me identificar com o que sentiam ou pensavam esses “eus” de outrora. Releio as páginas desse livro que foi o primeiro e descubro-me, antevejo algo de menos superficial.

Pergunto-me o que quis dizer, onde fui buscar inspiração e não me lembro. Será essa que escreveu aquela que hoje lê?

Ao longo deste vinte anos a verdade é que sempre foi o mesmo livro, as palavras impressas não me deixam margem para dúvidas, a minha perceção sobre ele é que foi mudando ao longo do tempo.

Serei hoje a mesma pessoa que manuscreveu aquelas linhas em meticulosos cadernos pretos, numa letra ainda adolescente? E se sou, porque é que a memória é tão fragmentada?

É estranho como nessa altura tinha tantas certezas e agora, afinal, cada vez tenho mais perguntas. Dir-se-ia que deveria ser ao contrário. Se vou conseguir respondê-las, isso, só talvez daqui a outros trinta anos vos poderei contar.

Ana Brilha

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.