Paris dias 4 e 5



Ontem cheguei muito tarde ao hotel... Na verdade, muito mais tarde e cansada. Foi um dia em grande na Disneyland Paris. Mas tinha de aproveitar ao máximo, concordam, não concordam? Visitei os dois parques, embora me pareça que se tivesse ficado só pelo Disneyland Park teria aproveitado muito mais. Acho que voltamos a ser crianças! Foi essa a sensação. Na Parada Disney Mágico só me deu vontade de dizer adeus e pular para os meus personagens favoritos. Tive de me conter! Quanto ás diversões, o mais radical em que me aventurei foi na Star Tours e bem me arrependi... Só posso mesmo andar nos carrosséis. Tenho um estômago muito fraco! Que coisa mais chata! Tirando esta minha mariquice, diverti-me imenso! Foi um dia cheio de cor, magia e liberdade. Ah, Apeteceu-me comprar este mundo e o outro. Aquelas lojas são uma tentação difícil de resistir. Lá gastei uns euros.









E hoje lá fui eu para Versalhes. Enfrentei duas horas de espera debaixo de um sol bem quente. Em 1789 o Palácio foi invadido por uma multidão de parisienses, á procura de Maria Antonieta, hoje, dia 5 de agosto de 2014 foi invadido por turistas de todo o mundo à procura da beleza e das histórias que fizeram a história deste local único. Na verdade em Versalhes vivem-se dias calmos, mas apeteceu-me "cortar algumas cabeças". É que comprei o cartão dos Museus, que me dava acesso á visita do Palácio e dos Jardins... é o que lá está escrito! E depois quando vou lançada para a descoberta de bosques, alamedas, lagos, fontes e canteiros verdejantes, o funcionário do Palácio disse-me que tinha de comprar bilhete. E eu ainda achando que ele não tinha entendido que eu tinha o cartão mágico, expliquei-lhe que a minha entrada tinha incluída os Jardins. E vai o senhor, no seu inglês arranhado, disse-me que hoje havia música no jardim e que a entrada do cartão não incluía os dias com música. Ora, eu fiquei logo mal disposta, com esta conversa, e a refilar lá fui para a bilheteira, porque pensei "poderei nunca mais cá voltar" e não queria perder esta oportunidade. Paguei 8 euros e segui a visita. Sim, havia música nos Jardins, mas não era ao vivo! Que ingénua! O som vinha das sebes que escondiam provavelmente as colunas. Ou seja, paguei a dobrar a entrada no jardim para ouvir música de época gravada, provavelmente num cd. Enfim... Se ainda tivesse pago a entrada para assistir a um concerto ao vivo até podia compreender... Agora assim... Mas tirando este pormenor muito importante, é claro que adorei passear pelos locais onde já passaram Luis XIV, Maria Antonieta e onde foi assinado o Tratado de Versalhes!








Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.