"Histórias Infanto Juvenis da Tradição Africana" por Carlos Duarte



Porque o leão tem raiva do coelho

Certa tarde, no mato, fugindo de um violento temporal, o homem foi abrigar-se debaixo de uma pedra, junto de um morro.

Pouco depois, apareceu também para se abrigar e secar, o coelho. Não demorou muito, e apareceu também com as mesmas intenções, para desconforto de ambos, um enorme leão que, em demorada avaliação demonstrou que o cardápio inesperado era bem do seu agrado.

Ficou aquela situação constrangedora em que o homem e o coelho, a cada olhar do leão, tinham a certeza de que iriam acabar o dia como refeição do felino.

Aí, o coelho, aproveitando-se do ribombar de um trovão, disse ao homem e ao leão, que a pedra que os abrigava, cedera um pouco e ele como o mais fraco e menor dos três, iria ficar perto da saída, pois assim, se a pedra caísse, ele conseguiria escapar facilmente.

Na nova posição, já mais seguro, decidiu ajudar também o homem,  e a novo ribombar, disse:
- A pedra cedeu de novo, e a chuva ainda está muito violenta, como o leão é o mais forte dos três, é melhor ele segurar a pedra, que ajudo um pouco deste lado, enquanto o homem procura um tronco de árvore, forte o suficiente para escorar a pedra.

Assim fizeram. O leão segurou com as patas dianteiras a pedra, o coelho fez o mesmo do outro lado, e o homem saiu e foi embora, livre e aliviado por ter escapado vivo.

O coelho deixou passar um bom tempo, e disse para o leão:
- O homem está demorando muito, deve sentir dificuldade em achar ou trazer um tronco bem resistente. Como você é muito forte, fica segurando a pedra sozinho, e eu vou ajudar o homem.

O leão concordou, e o coelho rápido, também se afastou do perigo e foi embora.

O leão ficou ali  um tempão, a chuva já tinha parado, e ele continuava lá, durão, segurando a pedra, até que, já cansado, resolveu pular rápido para fora.

Só então viu que tinha sido enganado como um trouxa, pois a pedra, sólida, não cedera nem um pouquinho. E assim, o homem, grato, ficou muitos anos amigo do coelho, e o leão com raiva dele.

“A inteligência supera a força.” 

Carlos Duarte
(esta crónica é escrita em português do Brasil)

1 comentário

anaescrita disse...

Mais uma crónica em que a inteligência superou a força. Parabéns Carlos Duarte.

Com tecnologia do Blogger.