Cada porta, uma história

Bato, não bato... apetece-me bater à porta e entrar. Sentir um abraço e um sorriso repleto de poesia. Há muito que não passo por aqui. As saudades apertam o coração e pesam na alma. Bato, não bato... apetece-me bater à porta e entrar. Sentir o ar fresco entranhado nas paredes de pedra, beber a água gélida daquele pote em cima da mesa. Bato, não bato... apetece-me bater à porta e entrar. Mas serei bem recebida? Depois de tantos anos ausente, sem dar notícias. E se do outro lado da porta já não existir a magia de outros tempos. Bato, não bato... apetece-me bater à aporta e entrar... e nisto a porta abre-se.

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.