Enquanto isso... Do outro lado do Atlântico



Penso, logo filosofo.

Outro dia, um amigo leu uma de minhas crônicas e, em seu “Facebook”, recomendou sua leitura, dizendo tratar-se de mais uma crônica de seu amigo, escritor e filósofo Silvio Kanda, ou algo parecido.


Fique feliz por ele ter gostado e recomendado a seus amigos, mas fiquei pensando sobre uma coisa que ele havia dito. Eu, filósofo? Fiquei orgulhoso pela consideração, pois sei que é de coração e verdadeira, mas, em verdade, não é bem assim, pois não sou mais filósofo do que ele, ou do que qualquer um de vocês. Filósofos somos todos nós.

A palavra filosofia, numa tradução literal, significa “amigo do saber”, assim, não há como não incluir toda a humanidade nessa categoria. Num resumo, absurdamente simples, nós podemos dizer que a filosofia, como ciência que tem sua metodologia, pode ser divida em alguns seguimentos principais, que seriam: a Metafísica, a Epistemologia, a Ética, a Lógica, a Estética e a Filosofia Política. Mas o que seria cada uma dessas “coisas”?

A Metafísica é a parte que estuda o ser pelo ser. Há um sentido para a vida? Há um sentido para a existência do universo? Existem outras realidades? Existe Deus? Tudo está em constante mudança, ou existe apenas a repetição de situações idênticas? O que há além da física?

A Epistemologia se encarregada de teorizar o próprio conhecimento, tentando definir e explicar o que é o conhecimento, como obtê-lo, como o ceticismo ajuda o homem a buscar novas respostas e nos diz que o saber está situado entre a crença e a verdade.

A Ética é a parte da filosofia dedicada ao estudo dos valores morais e dos princípios ideais do comportamento humano, ou seja, aquilo que pertence ao caráter de cada um, nos dá a idéia de comportamento moral e molda nossa consciência.

A Lógica tem por objetivo a análise das formas que a argumentação pode tomar, identificando qual argumento é válido e qual é falacioso.

A estética traz à discussão a percepção e a compreensão do que é belo e, conseqüentemente, da privação da beleza.

E, por fim, a Filosofia Política, que discute os limites e as possibilidades de uma sociedade justa e ideal.

Entendeu onde quero chegar?

Só pelo fato de você ter sido motivado pela curiosidade e chegado até esse ponto você já teve um momento filosófico, pois filosofar é querer o saber. Assim, não há como não considerarmos cada indivíduo como um filósofo, mesmo que seja apenas para descobrir sua própria verdade, pois, quem nunca questionou a existências de algo superior que controle as forças do universo? Quem nunca questionou o porquê das coisas serem como são? Quem não quis aprender algo novo ou compreender algo incompreensível? Quem nunca usou o raciocínio para chegar a alguma conclusão, não questionou a preferência estética de alguém, ou a qualidade artística de algo? Quem nunca desejou viver em uma sociedade melhor, mais justa e igualitária? Percebeu?

Nós podemos não saber onde cada pensamento se encaixa, se na Ética, ou na Metafísica, mas todo mundo filosofa, todos os dias, a todas as horas. Penso, logo filosofo. Basta o viver.

Silvio Kanda
(esta crónica é escrita em português do Brasil) 

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.