Fitas cinematográficas

                            Foto: cinemacomrapadura.com.br


Numa destas noites J. fez-me uma proposta - "Vamos ver o filme Looper?"
"Mau" - pensei - "Isto cheira-me a filme de murro, pontapé e estalo!"
Mostrou-me o trailer e mal vejo surgir no ecrã o Bruce Willis, tive aquela sensação de que isto não ia correr bem. Não tenho nada contra o Sr. Bruce Willis, mas não sou grande fã do género de filmes que protagoniza. A dose dos "Assaltos"  foi tão grande que me deixou traumatizada.

Mas J. continuava a afirmar que valia a pena irmos até uma sala de cinema (um verdadeiro luxo, hoje em dia), para assistir a este "Looper". 

Vi o trailer tentando não fazer juízos de valor, libertei o espírito e lá concordei em assistir, mas sempre com um pé atrás.

Domingo à tarde, sala a meio gás... Ambiente tranquilo, com eu gosto. E lá começa esta aventura de Joe, assassino contratado que manda para o outro mundo, alvos que a máfia quer eliminar no futuro. Ou seja, os pobres diabos são enviados através duma máquina do tempo, para o passado, onde o Joe os aguarda com uma simpática bacamarte. 

No intervalo, a minha avaliação até nem era assim tão má. O enredo manteve-me presa ao ecrã. Aquilo era mais do que matar gajos vindos do futuro. 

A história até está interessante, retirando a cena onde Bruce Willis tem a sua apoteose e mata meia dúzia de "bad guys", sozinho e com toda a sua perícia.

Resumindo: Ação, ficção, pouco espaço para romance, alguma moral... Um bom filme de entretenimento.

ps - Há muito tempo que não via o Jeff Daniels no grande ecrã ;)

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.