St. Paul's Cathedral e os seus 500 degraus

"vou subir até lá acima!"

Se as minhas pernas, hoje, estão mais tonificadas devo agradecer a St. Paul's Cathedral e aos cerca de 500 degraus, que subi, para me deslumbrar com uma magnífica vista da cidade de Londres. E eis que vos trago a 2ª crónica da minha viagem a Terras de Sua Majestade - "The Best Of".

Primeira manhã em Londres e o entusiasmo apoderava-se de mim! Na noite anterior já tinha decidido que iria conhecer a obra prima de Sir Christopher Wren - St. Paul's Cathedral - mesmo no coração desta cidade que está sempre num agitação contagiante. 

E porquê visitar esta catedral quando tantos outros monumentos, museus e locais de interesse me aguardavam? É simples este é um local muito carregado de história e histórias. Foi em St. Paul's Cathedral que se realizou o casamento da Princesa do Povo (as Bodas do Príncipe Carlos e Lady Diana), lembro-me tão bem de assistir à cerimónia pela televisão e de ter ficado encantada; foi, também, em St. Paul que decorreram as cerimónias fúnebres de ilustres personalidades como: Churchill, duque de Wellington e Lord Nelson (herói naval); a Rainha Vitória celebrou nesta catedral as suas bodas de diamante e a Rainha Isabel II as suas bodas de prata e mais recentemente o Jubileu. Já perceberam, certo? Estar num local assim, caminhar pela sua nave, pelas suas alas, pela cripta e imaginar tudo o que já passou por aquelas pedras é uma sensação que não consigo colocar em palavras... 

A visita começou da melhor forma possível! St. Paul's Cathedral tem audio guias e folhetos em Português!!! Rejubilemos!!! E assim, de ouvidos bem abertos e olhos esbugalhados iniciei a minha visita junto à Pia Batismal, depois seguiram-se a Nave, o Altar da Cúpula, a Cúpula (uma das maiores do mundo, pesa 65 000 toneladas), o Coro (esta catedral é famosa pela música e pelos seus coristas), o Altar Principal, num ritmo tranquilo e ao som de uma voz portuguesa que me explicou tudo ao pormenor.

E foi então que surgiu um desafio! A determinada altura o meu "guia" diz que é possível subir à Galeria dos Murmúrios (que ficava a 30 metros do piso térreo, no interior da cúpula). Enfrentei uns quantos degraus (257)... até aqui, tranquilo. Sim! Faço exercício, por isso, não foi assim tão difícil. Uma vez na Galeria dos Murmúrios, novo desafio: existe a hipótese de subir à Galeria de Pedra (a 53 metros do piso térreo)... mais 119 degraus. Bom já que tinha chegado até ali... era só mais um esforço. Entretanto percebi que se subisse mais 152 degraus, seria abençoada com uma vista inigualável sobre Londres, na Galeria Dourada, a 85 metros do piso térreo. Aqui ainda hesitei, mas depois ganhei coragem e avancei. Isto para mim já começava a cheirar a uma atividade radical: as escadas eram em caracol, os degraus estreitos... e as minhas vertigens no auge! Claro que ao atingir o degrau número 528, já não sentia as pernas! Querem saber se valeu a pena? Claro que sim! Lá em cima a vista era mesmo de cortar a respiração! Bem na verdade já estava a respirar com dificuldade. E descer? Descer foi fácil... Para baixo, todos os santos de St. Paul, ajudaram ;)

Já no piso térreo, e com as pernas a tremer, era altura de descer mais um pouco até à Cripta, onde visitei a capela dedicada aos homens e mulheres detentores da OIB (Ordem do Império Britânico), honra civil e militar criada em 1917 e que foi a primeira a incluir mulheres, entre elas, Florence Nightingale (escritora que se destacou pelo seu trabalho pioneiro em enfermagem). 

Depois de admirar o túmulo de Wellington, de Nelson e o memorial de Wiston Churchil, a última paragem foi no café da Catedral, porque isto de subir 528 degraus abre o apetite a qualquer um. Excelente ponto para uma sopa e um sandwich e com preços razoáveis. Neste momento de pausa foi tempo de partilhar as emoções da visita com J.

St. Paul's Cathedral foi a primeira igreja dedicada a São Paulo. E a sua construção original era de madeira. Ardeu em 675. Depois de reerguida, os Vikings resolveram deitá-la a baixo. St. Paul's renasceu, novamente, mas desta vez em pedra. Ainda assim um outro incêndio apoderou-se do templo. Os Normandos voltaram a edificá-la e em 1300 estava concluída, para em 1666, voltar a ser consumida pelo Grande Incêndio de Londres... Vida dura a desta catedral... 









Rosarinho
2012

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.