O Elenco de "A Casa de Bernarda Alba"

Delfina Cruz estreia-se no Teatro Monumental, em 1965, na revista “Férias em Lisboa”. Participou em cerca de 30 revistas à portuguesa, comédias, dramas e espectáculos musicais, sendo na sua maioria cabeça de cartaz. Em 1968 ganha o prémio “Revelação" e em 1978 o prémio da “Nova Gente” para Melhor Actriz de Revista. Teve a sua presença em filmes como “A Derrapagem”, “Viva Zapata”, “O Crime de Simão Bolandas”, entre outros. No Teatro destaca-se a sua participação em “Vida Breve” de Bernardo Santareno e “Duas na Mão, uma a voar” de Marc Camoletti. Ao longo da sua carreira trabalhou com nomes prestigiados como: Laura Alves, António Silva, Armando Cortêz, Eunice Muñoz, Rui de Carvalho, entre outros. “Deixa-me Amar”, “Flor do Mar” e “O Bater do Teu Coração” são as suas mais recentes participações em televisão.

Paula Guedes, estreia-se em 1976 no grupo de Teatro a Barraca onde permanece durante 7 anos. Tournée internacional a Espanha, Brasil e Moçambique. Passa pelo Teatro Novo Grupo com peças : D. João VI, “ Balada do Café triste”, “O Suicidário”, entre tantas outras. No Cinema “ O BOBO”,”KILAS O mau da FITA” “Encontros Imperfeitos”, “Delfim”, etc…”Quaresma”” “PEIXE LUA”. TV – Participa em várias séries de Tv “ Os mistérios da estrada de Sintra”, “ Ferreirinha”, “ Cabaret” e Grande Noite”, entre outros tantos. Produz à 5 anos o encontro de escritores “ LEV” na cidade de Matosinhos. A sua Paixão? “Representar”


Manuela Cassola, frequentou o curso de teatro do Conservatório Nacional, curso que terminou com a classificação final de 18 valores, que lhe permitiu ingressar no elenco do Teatro Nacional. Ingressou depois no Teatro São Carlos onde teve intervenções dramáticas em óperas. Posteriormente passou pela companhia teatral do Chiado com vários espectáculos dirigidos por Mário Viegas e posteriormente por Juvenal Garcês. Fez televisão em novelas e séries. Nos Estados Unidos interpretou a peça “Celestina” de Fernando de Rojas, ganhando o prémio de interpretação integrada no Festival “El Ciglo de ouro Teatro Clássico Espanhol com o Teatro Ibérico.

Ângela Pinto, nascida em Pinheiro da Bemposta, em 1958, tirou o Curso de Formação de Actores da Escola Superior de Teatro do Conservatório Nacional e frequentou o Curso de Bailado Clássico no Estúdio-Escola de Anna Máscolo. Vencedora em 1985 do "Sete de Ouro" para actriz revelação - Teatro 1984, pela sua interpretação em "Fi­lhos de um deus menor", já participou em mais de 40 peças de Teatro de onde se destacam "Uma Noite em Cheio", de Stephan Poliakoff, com encenação de João d'Avila, “Cenas de Luto/a” de Bruno Cochat, espectáculo de performance para a EXPO 98 e “Casa Poema”, a partir de uma ideia sua, com encenação de Hélder Gamboa. Da sua participação em televisão destaca-se a sua interpretação em “Equador”, a partir do livro de Miguel Sousa Tavares e “Podia Acabar o Mundo” de Manuel Arouca. No cinema trabalhou com realizadores como João Sodré, António Macedo e António Pedro Vasconcelos.

Margarida Cardeal, nasceu em 1974 em Lisboa. Frequentou o curso de formação de actores da Comuna e formou-se no Conservatório de Teatro. Estreia-se em 1993 na Comuna e foi com esta companhia que trabalhou regularmente. Esteve envolvida em projectos pontuais com o Bando, com o Mundo Perfeito, com a Karnart e com a Inestética. Participou em séries televisivas, novelas e publicidade. No cinema trabalhou com Rita Nunes, Claudia Clemente e Pedro Palma. Faz dobragens de animação desde 2008 e leituras de poesia desde 2009. Recentemente apaixonou-se pela Fotografia.




Raquel Dias, nasceu em Macau em 1973. Fez o curso de teatro na Escola Superior de Teatro e Cinema (93/96). Desde então tem trabalhado com vários encenadores como Nuno Carinhas, José Wallenstein, Bruno Bravo, José Peixoto, André Gago, Manuel Coelho, Jorge Estreia, Jorge Fraga, Cristina Chaferovitch, Alexandre Lyra Leite, Helena Pimenta. Fez parte do grupo de teatro Primeiros Sintomas onde desenvolveu um trabalho contínuo até 2009. No cinema trabalhou com Paulo Rocha, Manuel Mouzos, Ivo Ferreira, Edgar Feldman, Paulo Guilherme, Luís Alves de Matos e José Maria Vaz da Silva. Na televisão apresentou o programa de cultura urbana “Pop Up” no canal 2 e apresentou também o programa “Crianças Vamos Sair”, um magazine cultural para crianças na SIC Mulher. Participou na telenovela Saber Amar e nas séries Volfrâmio – A Febre do Ouro Negro e Liberdade XXI. Estreou-se na encenação com “ Relicário ou sms sweetheart”, uma criação individual. Estreou-se na realização com “ A Escada” uma curta metragem de Raquel Dias e Edgar Feldman.

Maria Zamora, ao longo do seu percurso profissional teve orientações de estudo e interpretação com Dimitri Bogomolov, Elsa Valentim, Jean Paul Buchieri, Aloysio Filho, António Pedro Vasconcelos, Marie Brand, Nicolau Breyner, Patrícia Vasconcelos, Nicolau dos Mares, Peter Michael Dietz, José Peixoto, Filipe Crawford e Mónica Calle. Em 2008 inicia uma nova linguagem, a de palhaço. Torna-se um dos elementos da Operação Nariz Vermelho e integra continuamente várias oficinas de formação com Ângela de Castro, Ami Hattab, Sérgio Claramunti entre outros para desenvolver e aprofundar esta técnica. Participou em animações de rua, teatro, performance televisão / publicidade e cinema. Nomeadamente com o Chapitô, Teatro de Almada, Teatro Anónimo, Comediantes de Lisboa. Actualmente na Operação Nariz Vermelho e nos Comédia Sport Club (Improviso na Hora). Conta também com participações pontuais em séries, telenovelas, documentários, anúncios e curtas-metragens.

Catarina Gonçalves inicia em 2002 a sua formação de actriz na Oficina Actores NBP e a sua estreia como actriz dá-se em 2003 na novela “Ana e os 7”. Na sua formação teve como professores nomes como; Maria João Serrão em voz dicção e canto, Luca Aprea e Howard Sonenklar no movimento, António Feio, Paulo Ferreira, Paulo Filipe, Helena Flor e Rui Mendes na interpretação, António Macedo na história da narrativa, José Fonseca e Costa no trabalho do actor e a câmara, Aloysio Filho técnicas de TV, Ermelinda Duarte leitura interpretativa. Desde a sua estreia em televisão participou em muitas outras produções, “Morangos com Açucar”, “Mistura Fina”, “Serranos”, “Bandos dos 4”, “Tu e Eu”, “Floribella”, “Chiquititas” e “Feitiço de Amor” . No teatro “O Professor de Darwin” Texto e encenação de Helder Costa – Teatrocinerte A BARRACA, “Antes de Começar” de Almada Negreiros, “Desassossego” de João Rosa e Catarina Gonçalves e “E sexo?! Não se fala de sexo?” de Isabel Stilwell no Teatro da TRINDADE. Como locutora dá voz a vários spots publicitários para rádio televisão cinema e internet e é também voz da Rádio Europa. Leccionou também várias oficinas e workshops de teatro a crianças e jovens. Brevemente irá estrear-se como apresentadora de televisão.

Ana Moreira nascida em Lisboa na data 13 de Fevereiro de 1980, a actriz Ana Moreira completou o 12º ano em artes e em seguida terminou 3 anos no Ar.Co na área de Design Gráfico. No cinema trabalhou, na qualidade de actriz com vários realizadores como Teresa Villaverde, João Botelho, Jorge Cramez, Eugéne Green, Mário Barroso, José Fonseca e Costa, Margarida Gil e José Nascimento entre outros. As suas participações valeram-lhe ainda alguns prémios de melhor actriz nos festivais de cinema de Taormina e Bastia em 1998, um Globo de Ouro SIC em 2006 e no festival Cineport e Stª Maria da Feira em 2007 entre outras nomeações. Em teatro trabalhou com a companhia Os Primeiros Sintomas e para uma performance integrada no festival Temps D’images em 2009.

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.